Riscos da combinação álcool e energético

Riscos da combinação álcool e energético

O consumo de bebidas alcoólicas é bastante antigo e de alta prevalência na população mundial atualmente. Em geral, quando ingeridas em baixa quantidade e frequência, não geram problemas

No entanto, o consumo abusivo de bebidas alcoólicas é muito prejudicial, sendo a dependência a principal preocupação. Recentemente, observou-se a rápida popularização de ingestão de bebidas alcoólicas, destiladas com combinações de bebidas energéticas à base de carboidratos, taurina (reduz o efeito depressor do álcool) e cafeína (devido as ações estimulantes da cafeína no córtex cerebral aumentando a dependência alcoólica). Os dados sugerem que os efeitos da bebida energética, são bastante variáveis, dependendo da sensibilidade individual. Tal associação sugere que há interação com o álcool, aumentando os efeitos excitatórios ou pela redução dos efeitos depressores, aumentando assim o consumo de mais bebidas alcoólicas pelos indivíduos.

É possível que alguns componentes dos energéticos, interfiram no metabolismo das ações farmacológicas do álcool, principalmente pela taurina. Dados sugerem que durante o consumo de bebidas alcoólicas destiladas com energéticos, aumentam o estado de euforia, alegria e sensação de poder. Uma grande questão sobre o uso de bebidas energéticas é a possível alteração do padrão de uso de bebidas alcoólicas, especialmente destiladas, estimulando ainda mais o consumo. Sem falar da qualidade das bebidas destiladas oferecidas ao consumidor. Se a sensação de redução dos efeitos depressores do álcool não for acompanhado pela redução do prejuízo na coordenação motora e no tempo de reação a estímulos, o indivíduo sob o efeito da mistura pode superestimar sua capacidade de desempenhar atividades, aumentando o risco de se envolver em acidentes. Portanto, as associações de bebidas destiladas e energéticas e´ acompanhado de aumento dos níveis pressóricos, distúrbios no sono, complicações nas gestantes (mortalidade fetal, baixo peso ao nascimento, abortamentos), aumento de agressões, aumento do abuso sexual, aumento na condução perigosa do veículo, aumento na dependência do álcool, toxicidade pela cafeína concentrada nos energéticos como Taquicardia, palpitações, ansiedade, nervosismo, insônia, vômitos e convulsões.

A intoxicação por bebidas energéticas é real, podendo levar ao agravamento dos potenciais riscos dos ingredientes ativos para indivíduos previamente portadores de outras doenças, estimuladas pelo aumento no consumo da bebida alcoólica. Portanto a moderação e a não mistura com energeticos é sempre a melhor opção.